case

O transmissor Indigo série 500 melhora o controle do processo de maltagem

Germinação
Sweden
Published: May 25, 2020
Fabricação Industrial e Processos
Medições industriais

Como um dos principais fornecedores mundiais de produtos de malte de alta qualidade, a Viking Malt investigou as vantagens do monitoramento contínuo de umidade dentro do processo de maltagem em suas instalações em Halmstad, na Suécia. O transmissor Indigo520 da Vaisala foi integrado ao sistema de controle da fábrica e, após um teste inicial de 3 meses, o gerente técnico Tony Öblom explica: “O acesso em tempo real aos dados de umidade permitiu um controle mais rígido do processo de maltagem, melhorando assim a qualidade, economizando energia e aprimorando a rentabilidade."

Histórico

O malte é um ingrediente essencial na fabricação de cerveja, uísque e muitos produtos de panificação. A sede da Viking Malt fica na Finlândia e o grupo opera 6 estufas na Finlândia, Dinamarca, Suécia, Lituânia e duas na Polônia, produzindo um total combinado de mais de 600.000 toneladas de malte por ano.

A maioria dos grãos de malte é de cevada, mas podem ser usados trigo e centeio, além de arroz e milho. Com suas maltarias no norte da Europa, a Viking Malt desfruta de várias vantagens. A cevada de suas fazendas subcontratadas, por exemplo, é de ótima qualidade e tem excelentes características de maltagem. Além disso, os invernos frios matam pragas e evitam doenças, e as culturas crescem rapidamente ao sol da meia-noite, o que significa que exigem menos pesticida.


O processo de maltagem

A maltagem envolve a iniciação, manejo e descontinuação da germinação. Isso é alcançado através do controle cuidadoso e preciso da umidade, temperatura e às vezes do dióxido de carbono na câmara. 
Uma boa cerveja pode ser uma questão de gosto pessoal, mas a consistência do sabor e outras características dependem do uso de malte de alta qualidade. Tony explica: “Na Viking Malt, trabalhamos duro para garantir a produção de maltes consistentes e de alta qualidade. Isso é obtido através da seleção meticulosa e gerenciamento de matérias-primas e pelo monitoramento e controle da produção da forma mais cuidadosa e precisa possível.”

O processo de maltagem possui três fases principais que, ao se combinarem, podem levar entre sete a dez dias, dependendo das características das matérias-primas e das especificações do malte produzido. As três fases são as seguintes:

  1. Infusão - os grãos são lavados e seu conteúdo de umidade é aumentado nos tanques de imersão para estimular a germinação. A infusão normalmente envolve uma combinação de períodos úmidos e secos de diferentes durações.
  2. Germinação - à medida que as sementes germinam, elas produzem enzimas. As amilases, por exemplo, convertem amido nas sementes em açúcares fermentáveis e as proteases quebram as proteínas.
  3. Estufa de secagem - na parte final do processo, o 'malte verde' é seco e aquecido em uma estufa para atender às especificações necessárias.

No início do processo de maltagem, é provável que a umidade no interior da estufa seja de 100% entre 60 e 65 °C, enquanto que a calcinação final fique provavelmente entre 80 e 95 °C, com uma umidade alvo de 4%.


A importância do monitoramento

Como produtora de 65 tipos diferentes de malte, a Viking Malt monitora de perto sua matéria-prima e processos de produção para garantir consistência e conformidade com as especificações de características como umidade, cor, sabor, proteína e conteúdo de enzimas. As amostras são frequentemente retiradas da produção para testes no laboratório local. "Os resultados podem levar cerca de 6 horas", explica Tony. “Para alguns parâmetros, isso é aceitável, mas para otimizar o controle do processo, precisamos de dados em tempo real. Por isso eu conduzi pesquisas para descobrir possíveis soluções e aprendi que meus colegas na Finlândia estavam testando com sucesso um transmissor Vaisala Indigo520.

“Os dados contínuos de umidade nos permitem determinar o momento preciso em que o processo de maltagem é concluído. Isso não apenas ajuda a garantir a qualidade do produto, certificando-se de que não estamos secando demasiadamente pouco ou muito, mas também nos ajuda a economizar dinheiro, pois a secagem excessiva é um desperdício de energia e aumenta o custo do produto final.”

De acordo com o Relatório de RSC da Viking Malt, 2019: “A eficiência energética é um princípio norteador no planejamento do projeto da nossa planta, investimentos, produção, logística e fornecimento de produtos e serviços energéticos.” A implementação do transmissor Indigo520, portanto, ajuda a cumprir esse objetivo e outro que busca “aumentar a velocidade da inovação, especialmente em tecnologias de informação e comunicação”.

As medições contínuas e confiáveis ​​com o transmissor Indigo520 também fornecem um registro completo da produção, sem interrupções das atividades de calibração e manutenção. 

 

Tecnologia de monitoramento

O transmissor Indigo520 coleta dados de uma sonda de umidade Vaisala HMP7, que utiliza tecnologia de aquecimento, e foi projetada especificamente para aplicações de alta umidade. Combinado com uma sonda de temperatura TMP1, o sistema fornece medições de umidade relativa estáveis ​​e confiáveis ​​na secagem final. 

O Indigo520 é compatível com a ampla variedade de sondas inteligentes Indigo Vaisala para medições de umidade, temperatura, ponto de orvalho, dióxido de carbono, peróxido de hidrogênio vaporizado e umidade em óleo. Também é possível acomodar duas sondas ao transmissor Indigo520 e medir dois parâmetros diferentes ao mesmo tempo. O transmissor tem um invólucro de metal resistente à corrosão com classificação IP66 e Nema 4, além de um visor touchscreen feito de vidro quimicamente reforçado. Esse monitor local fornece à equipe no local acesso rápido e fácil a dados em tempo real, ao conectar o transmissor ao sistema de controle, Tony e sua equipe são capazes de visualizar as leituras onde quer que estejam e a qualquer hora do dia ou da noite. 

Faça download abaixo da história completa do cliente.