blog

Transformando um gás de efeito estufa em combustível verde

Vaisala MGP260 series biogas instrument held by Product Manager Antti Heikkilä
Biogás

A empresa finlandesa Vaisala, cujos produtos incluem dispositivos de medição de biogás para uso industrial, está na linha de frente do desenvolvimento à medida que o mundo transita para uma economia de base biológica comercialmente lucrativa.

O gerente de produto Antti Heikkilä segura um instrumento que se parece com uma garrafa de metal de conhaque e explica seu potencial revolucionário para o futuro do mundo inteiro. Apesar de sua aparência, este produto incomum não é uma garrafa. É um dispositivo de medição para usinas de biogás fabricado pela Vaisala.

“Quando você transforma resíduos em biogás, o processo gera simultaneamente metano, dióxido de carbono e umidade. O metano é o foco dos esforços de extração porque é um gás inflamável que pode ser usado para produção de energia.”

O biogás é o tema do dia porque é uma fonte de energia ecologicamente correta, mas apenas desde que o processo seja medido com precisão. Na atmosfera, o metano é 20 vezes mais potente que o CO2 como gás de efeito estufa. Em vez de permitir que ele seja descarregado no ar, é importante aproveitar seu potencial como um excelente combustível.

A falha em fazer uso produtivo do metano é um desperdício em termos de natureza e recursos econômicos.

“Os instrumentos da Vaisala representam uma resposta a essa necessidade específica, pois possibilitam otimizar todo o processo, maximizando a produção de energia e minimizando os custos operacionais.”


Sempre haverá resíduos, mas eles podem desempenhar um grande papel como substitutos dos combustíveis fósseis.

Necessidades globais

Fundada em 1936, a Vaisala começou fabricando instrumentos meteorológicos. Dispositivos de medição industrial foram adicionados à linha de produtos há cerca de 40 anos. Embora a maioria de suas operações comerciais atuais esteja focada nos mercados de exportação, ela tem clientes significativos na Finlândia, incluindo muitas empresas industriais e estações de tratamento de resíduos e águas residuais municipais, por exemplo.

Em última análise, no quadro geral, as necessidades são exatamente as mesmas em todo o mundo. Sempre haverá lixo no mundo, mas tem muito potencial como substituto dos combustíveis fósseis.

“A urbanização levará à geração de mais resíduos, mas também será mais centralizada, o que permite implementar soluções de resíduos para energia em maior escala. Por exemplo, a produção de biometano é mais lucrativa em grandes instalações de tratamento de resíduos.”


Em menor escala, uma fazenda poderia usar resíduos biodegradáveis para gerar o calor e a energia elétrica de que necessita. No que diz respeito ao combustível, os consumidores estão frequentemente interessados no tema dos automóveis particulares. Nessa área, no entanto, os veículos elétricos dominam o cenário – pelo menos por enquanto. Heikkilä acredita que os veículos pesados representam um forte potencial para o uso do biogás.

“Para caminhões e ônibus, um motor a gasolina é uma solução muito mais prática do que uma bateria recarregável. O número de baterias necessárias para veículos desse porte é muito grande e as operações de transporte seriam interrompidas com frequência para carregar as baterias. A maioria dos ônibus locais já funciona com gás, então os ônibus existentes podem usar cada vez mais o biometano como uma alternativa mais ecológica ao gás natural”, explica Heikkilä.

 

De bio para uma bioeconomia

O gerente de marketing da Vaisala, Rasmus Stoltzenberg, destaca que, de acordo com a World Biogas Association, mais de 90% da capacidade mundial de biogás permanece sem uso no momento.

“Uma tremenda quantidade de resíduos que poderiam ser digeridos anaerobicamente para a produção de energia permanece sem uso e, ao mesmo tempo, a perfuração continua a extrair reservas não renováveis ​​de petróleo e gás”, explica Stoltzenberg.

Leva tempo para virar um grande navio. O uso do biogás está aumentando, mas as mudanças exigem investimentos. As usinas precisam ser construídas e isso não acontece da noite para o dia. Os decisores políticos desempenham um papel muito importante neste desenvolvimento. Eles detêm as chaves para usar incentivos econômicos para orientar as sociedades em direção à energia renovável e sustentável. A transformação não pode, no entanto, depender inteiramente da tomada de decisões políticas.

“Quando os subsídios governamentais são reduzidos, as empresas precisam fazer do biometano um negócio comercialmente mais lucrativo. É assim que a mudança permanente pode ser alcançada. Nosso papel é fornecer aos nossos clientes as ferramentas necessárias e ajudá-los a passar da bio para uma bioeconomia genuína”, conclui Stoltzenberg.

 

Originalmente publicado em Helsingin Sanomat Circular Economy Supplement "Biotalous", junho de 2021. Reproduzido com permissão.
Por: Valtteri Mörttinen. Foto principal por: Riku Kylä

Ajudando a avançar na transformação verde

Enviar novo comentário